Esporte na Tela

A ginasta Júlia Soares, de 15 anos, pode batizar entrada na trave

A atleta em sua apresentação no Pan-americano de ginástica realizou um movimento que deve ser homologado pela FIG
Foto: Ricardo Bufolin/CBG Júlia Soares realizou movimento inédito no Pan-americano de Ginástica Artística
Júlia Soares realizou movimento inédito no Pan-americano de Ginástica Artística

O Pan-Américano de ginástica, evento disputado no último final de semana, contou com um saldo muito positivo para os atletas brasileiros, principalmente para a ginasta Júlia Soares. A promessa brasileira de 15 anos impressionou os jurados em sua participação no evento, e deverá ter homologado um novo elemento, que levará vai ser levado no código da Federação Internacional de Ginástica (FIG).

O movimento em questão é uma entrada na trave, e durante a apresentação a atleta criou uma versão do movimento chamado “candle mount” ou entrada em vela. Nessa nova versão da entrada, Júlia utilizou um trampolim para ir em direção à lateral da trave em uma posição estática. A variação criada pela brasileira é uma meia pirueta no salto que a leva em direção a trave.

O movimento foi executado com extrema perfeição pela atleta no último sábado (5), e a Federação Internacional de Ginástica pode homologar em seu código o movimento que seve ser denominado de “Soares”.

“Fico muito feliz de ter homologado um elemento, mesmo muito nova. Deus me deu essa honra de poder homologar um elemento com meu nome. Estou muito, muito, muito feliz. Não tenho palavras para explicar a felicidade. Muitas meninas tentam, mas poucas conseguem isso. Comecei a fazer entrada reta há uns dois anos. A minha treinadora falou para eu dar uma mudada e comecei a treinar esse elemento este ano” pontuou a atleta após ficar sabendo da decisão da FIG.

A atleta entrou oficialmente para o seleto grupo de ginastas brasileiros que tiveram movimentos homologados pela organização. Desse modo, cinco ginastas brasileiros estão nos arquivos da FIG, fora a promessa de 15 anos, Daiane dos Santos (solo), Diego Hypolito (solo), Arthur Zanetti (argolas) e Sérgio Sasaki (paralelas) também tiveram movimentos homologados no código da FIG.