Esporte na Tela

Empresários cobram R$ 330 milhões do Cruzeiro por rescisão de zagueiro

Após a rescisão do contrato do zagueiro Dedé, um grupo de empresários cobra a indenização da Raposa
Foto: Vinnicius Silva Dedé, defendendo o Cruzeiro
Dedé, defendendo o Cruzeiro

O Cruzeiro foi notificado, nesta quarta-feira, de forma extrajudicial, a pagar cerca de R$ 330 milhões por conta do fim do vinculo com o zagueiro Dedé. A cobrança foi feita pelo Grupo D.I.S e da GT Sports, além de dois empresários (Marcos Vinícius Secundino e Giscard Salton).

Os empresários tiveram participação direta na aquisição dos direitos econômicos do atleta, em 2013, quando ele chegou à Raposa. O valor é considerado o maior da história do futebol brasileiro. O documento foi enviado para o clube, na última quarta, e prevê um prazo de cinco dias para o pagamento.

Caso o clube não efetue o pagamento do valor a situação será levada a justiça. O Cruzeiro contratou o zagueiro, pelo valor de RS 7,758 milhões, do Vasco e definiu que 97% dos direitos econômicos estariam ligados ao grupo D.I.S e os outros 3% ao clube Villa Rio.

Após a contratação, o clube e os empresários fizeram uma nova redistribuição das porcentagens: 51,91% do fundo de investimentos DIS, 6,5% da GT Sports Assessoria, 30,5% nas mãos de Marcos Vinícius Sánchez Secundino e 11,09% com o empresário Giscard Salton, que repassou o direito à empresa da qual é sócio: EAS Agência de Atletas Ltda.

Ficou decidido que em caso de rescisão com a Raposa, o Cruzeiro seria obrigado a pagar o valor referente à cláusula indenizatória esportiva. O valor, definido no último contrato do jogador com o clube, seria de R$ 330 milhões.