Esporte na Tela

Daniel Bragança põe o River-PI na justiça por conta de salários atrasados

O atleta alega que está com três meses de salário atrasado e solicita a rescisão do contrato; o clube aguarda o fim da intervenção judicial para resolver a situação
Foto: Victor Costa/River AC Daniel Bragança, lateral do River-PI
Daniel Bragança, lateral do River-PI

O lateral direito, Daniel Bragança, acionou a justiça contra o River-PI por conta do atraso no pagamento de salários. O jogador declarou a justiça que está há três meses sem receber e pede a rescisão do contrato com o Galo. O contrato do jogador com a equipe piauiense vai até o final de 2022.

De acordo com informações do portal GE, o River-PI afirma que foi notificado sobre o pedido de rescisão, e está aguardando o fim da intervenção administrativa pela qual vem passando para solucionar o caso do lateral.

O processo Nº 0000740-68.2021.5.22.0006, movido pelo atleta, não corre em segredo de justiça. Até o momento ainda não existe uma previsão de julgamento do caso. Daniel cobra R$ 26.987,44 do tricolor em supostos pagamentos pretendes.

Foto: Victor Costa/River ACDaniel Bragança treinado com o River-PI
Daniel Bragança treinado com o River-PI

O jogador teria apresentado a justiça alguns documentos comprovando que a diretoria sabe dos valores atrasados. O Galo destacou que está tratando da situação com o empresário do jogador. Está não é a primeira vez que o River-PI é acionado na justiça nesta temporada por conta de salários atrasados.

O volante Murilo Souza, ainda no início do segundo semestre ganhou na justiça uma ação movida contra o clube no valor de R$ 46 mil atrasados. Além do volante, outros 10 atletas que disputaram o Campeonato Brasileiro Série D nesta temporada também entraram na justiça solicitando o pagamento de valores atrasados que se aproxima de meio milhão de reais. O River-PI não se pronunciou sobre a situação.

Outro caso é o do pagamento atrasados de outros dez atletas que disputaram o Campeonato Piauiense este ano. No caso em questão o River-PI se pronunciou e afirma que ficaram pendentes apenas 15 dias trabalhados em maio.

Sem mais calendário neste ano, o Galo segue de portas fechadas. O clube está sob uma intervenção administrativa, delegada pela justiça, após problemas na eleição para a presidência do clube.