Esporte na Tela

Clubes analisam propostas de empresas para patrocinar a Nova Liga

A nova organização é composta pelos 40 clubes da Série A e B
Foto: Reprodução/CBF) Troféu do Brasileirão
Troféu do Brasileirão

Nesta segunda-feira foi realizada a segunda reunião das equipes do futebol brasileiro para dar seguimento ao processo de criação da Nova Liga. A reunião contou com a participação de todas as 40 equipes do Campeonato Brasileiro Série A e B, e os participantes discutiram a situação de quatro empresas apresentaram propostas para negociações futuras de direitos de transmissão e patrocínios.

O clima entre os participantes do projeto é de otimismo com os próximos passos. Dentre os participantes da reunião, Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians, esteve presente em uma reunião no inicio do dia. A reunião visa um Campeonato Brasileiro mais atrativo tanto para as equipes, como para os investidores. Atualmente a organizadora da competição é a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Apesar da criação da nova liga, que pretende organizar o campeonato nacional a partir de 2022, o objeto é caminhar em conjunto com a CBF.

Íntegra do documento entregue à CBF em 15 de junho:

"Por unanimidade dos presentes, 19 Clubes da Série A do Futebol Brasileiro – em razão de diversos acontecimentos que vêm se acumulando ao longo dos anos e que revelam um distanciamento total e absoluto entre os anseios dos clubes que dão suporte ao futebol profissional brasileiro e a forma como que é gerida a CBF – reunidos nesta data, decidiram adotar postulações e resoluções na forma abaixo elencada:

1. Requerer a imediata alteração estatutária que consagre uma maior participação dos Clubes nas decisões institucionais e na gestão da CBF, admitindo-se os clubes como filiados desta entidade;

2. Dentre os itens desta alteração estatutária, necessariamente deve ser incluída a votação igualitária nas eleições para escolha do Presidente e Vice-Presidentes da CBF, sendo certo que Federações e Clubes das Séries A e B terão seus votos contados de forma unitária e com o mesmo peso entre si;

3. Ainda no que se refere à alteração estatutária, inclui-se o fim dos requisitos mínimos para inscrição nas chapas concorrentes à eleição desta entidade, abolindo-se a necessidade de apoio de 8 (oito) federações e 5 (cinco) Clubes, permitindo-se o lançamento de chapas que tenham o apoio expresso de, ao menos, 13 eleitores independentemente de serem clubes ou federações;

4. Comunicar a decisão da criação imediata de uma Liga de futebol no Brasil, que será fundada com a maior brevidade possível e que passará a organizar e desenvolver economicamente o Campeonato Brasileiro de Futebol. Além dos Clubes signatários, os Clubes da Série B serão convidados a integrara a Liga.

Os clubes adotarão medidas efetivas para consumar a sua associação, para, de forma organizada, exercerem a administração do futebol brasileiro e do seu calendário."