Esporte na Tela

‘Não acaba aqui’ declarou Marta após a eliminação das Olímpiadas

A camisa 10 da seleção brasileira afirmou que está orgulhosa da campanha e pediu apoio para a nova geração
Foto: Sam Robles/CBF Brasil e Canadá fizeram uma das quartas de final do torneio de futebol feminino na Olimpíada de Tóquio 2020
Brasil e Canadá fizeram uma das quartas de final do torneio de futebol feminino na Olimpíada de Tóquio 2020

Após a queda nas quartas de final das Olímpiadas, a Seleção Feminina ficou com aquele gostinho de ‘podia chegar mais longe’. Apesar do sentimento, a camisa 10 da seleção brasileira, Marta, se mostrou orgulhosa da campanha.

Essa pode ter sido a última olímpiada da jogadora seis vezes eleita melhor do mundo. A camisa 10 afirmou que o saldo é positivo mesmo com a eliminação do Brasil para o Canadá, nos pênaltis, nesta sexta-feira (30).

“Tem dias em que as coisas não funcionam. Senti que a gente começou muito bem no jogo, tivemos possibilidade de abrir o placar. Faltou um pouco mais de paciência no terço final do campo. Algumas situações podiam ter sido melhor aproveitadas, até mesmo na prorrogação, porque elas nitidamente estavam mais cansadas que nós. Mas é coisa do futebol, são coisas que acontecem e nem sempre o melhor time ganha. Agora é pensar no futuro, continuar apoiando nossas meninas e a modalidade, porque o futebol feminino não acaba aqui”, destacou a jogadora.

A craque brasileira, ao longo dos anos, foi vista como uma grande referência dentro da seleção. Agora a seleção feminina vai focar em um novo ciclo de preparação pensando nas próximas competições (Copa América e Copa do Mundo de Futebol Feminina). Com um novo ciclo, a camisa 10 da seleção pediu mais incentivo e que não cobrem tanto as novas jogadoras por conta da última geração.

“A nova geração que está vindo aí não pode pagar por uma desclassificação numa Olimpíada. Temos que valorizar cada vez mais e entender a história do desenvolvimento da modalidade na hora de cobrar resultados. Podem ter certeza que o trabalho na Seleção vai continuar, com ou sem a Marta, com ou sem a Formiga. A gente pode, sim, sonhar mais alto e colher bons frutos”, concluiu.